Topo
Em Desconstrução

Em Desconstrução

Você está conseguindo se desconectar nas férias?

Rodrigo Ratier

08/01/2019 15h13

(Crédito: Boulanger Damien/Freeimages)

Você está conseguindo se desconectar nas férias?

Eu, não.

Veja bem: não estou em situação de fracasso total, do tipo almoçando-com-a-família-em-silêncio-scrollando-o-instagram. Fui viajar e consegui passar longos períodos longe das redes sociais. Lendo "longo", aqui, como quaaaase um dia inteiro.

Também não estou em férias totais. Sou freelancer e achava que devia estar minimamente conectado agora no início do ano. Preciso do celular e das redes para divulgar meu trabalho e também para conseguir trabalho. Algumas propostas rolando, uns jobs (sou chique) pendentes, alguém dizendo "te escrevo no dia 3 sem falta".

Eu estava errado. A verdade é que eu poderia ficar totalmente offline. Nada de muito relevante aconteceu nesse período, ninguém ligou nem escreveu no dia 3 de janeiro oferecendo trabalho.

Veja também

Em compensação, a cada conferida no smartfone, a cena de sempre: minutos — às vezes, horas — desperdiçando atenção energia com nem sei ao certo o quê.

(Também é verdade que li coisas interessantes. Com certeza menos do que o investimento de energia no bom livro que comecei e não terminei).

Há uma pergunta subjacente à culpa de não sair da frente do celular: nós realmente precisamos sair da frente do celular?

Provavelmente, sim. Já há volumosa evidência de que o excesso de tempo nas redes sociais e internet é prejudicial. Pesquisas indicam impacto negativo no sono; estudos afirmam que se trata de um vício; há correlação com distúrbios psicológicos como ansiedade, depressão, baixa autoestima e transtorno de personalidade narcisista. Uma listinha nada agradável, que faz gente como Jason Lanier, filósofo que cunhou o termo realidade virtual, afirmar: "evito as redes sociais pela mesma razão que evito as drogas".

A turma hipertecnológica, aliás, percebeu o drama cedo. Em sua vida particular, experts em tecnologia afastam seus filhos de tablets e telefones celulares. Gente graúda que passou pelo Facebook, Youtube ou Google agora discute qual o limite para a vida online — é esse o debate contemporâneo no Vale do Silício, segundo reportagem do New York Times.

Daí às estratégias: o que fazer para diminuir nosso tempo na rede? O gradualismo está em ascensão. Apps nativos de celulares apostam no autocontrole ao mostrar o tempo que passamos em cada rede. Já testou? Se ainda não, aposto que vai se surpreender negativamente com sua performance, como aconteceu com o grande Matheus Pichonelli

De minha parte, estabelecer limites não funcionou. Como já disse, cada olhadela vira um intervalo de Era Glacial. De modo que prefiro apostar no shutdown total: celular desligado, de preferência descarregado, guardado dentro do armário. 

Nesse caso, para mim dá certo — tem dado nos fins de semana, ao menos. Agora, em 2019, minha meta de desconexão é finalmente fazer valer o que está escrito em meu recado no perfil do Whatsapp: "por aqui das 9h às 17h, de 2a a 6a". No resto do tempo, é celular no cofre, se eu tivesse um.

Ótimo ano para todos nós.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Rodrigo Ratier é jornalista, professor universitário, pai de duas, curioso pela vida, entusiasta do contraditório

Sobre o blog

Olhares e provocações sobre a vida cotidiana: família, trabalho, amizade, educação, cultura – e o que vier pela frente

Em Desconstrução